FESTA DA SENHORA DAS GRAÇAS

No 3.º Domingo de setembro, este ano no dia 16, celebramos a Festa de Nossa Senhora das Graças.

É uma Festa concelhia, pois tem a participação das várias paróquias do concelho, com os seus  santos padroeiros, em andores lindamente ornamentados com flores naturais, desfilando em procissão pela cidade, desde o Jardim Público até ao Largo de Camões, em frente da Igreja Matriz, acompanhados pelas Bandas Musicais do concelho.

A Missa é às 16 horas, no Jardim Público. Depois a Procissão.

 

ENCONTRO INTERNACIONAL DAS FAMÍLIAS

CELEBRAÇÃO COM AS FAMÍLIAS

FRASES DO DISCURSO DO PAPA FRANCISCO

Dublin – Croke Park Stadium
Sábado, 25 de agosto de 2018

Hoje, em Dublin, reunimo-nos para uma celebração familiar de ação de graças a Deus pelo que somos: uma única família em Cristo, espalhada por toda a terra.

Uma família onde se cuida de cada um, porque Deus nosso Pai nos fez, a todos, seus filhos no Batismo. Por isso mesmo, continuo a encorajar os pais a levar ao Batismo os filhos logo que possível, para que se tornem parte da grande família de Deus. É preciso convidar cada um para a festa, também a criança pequena! E por isso deve ser batizada o quanto antes.

Deus quer que cada família seja um farol que irradia a alegria do seu amor pelo mundo.

E isto como se chama? Isto se chama santidade. Gosto de falar dos santos «ao pé da porta», de todas aquelas pessoas comuns que refletem a presença de Deus na vida e na história do mundo (cf. Exort. ap. Gaudete et exsultate, 6-7).

Pais e mães, avôs e avós, filhos e netos são todos chamados a encontrar, na família, a realização do amor.

Gosto de dizer que, nas famílias, precisamos de aprender três palavras: «desculpa», «por favor» e «obrigado». Três palavras. Como eram as palavras? Todos [Sorry, please, thank you]. Another time: [Sorry, please, thank you]. Não escuto … [Sorry, please, thank you]. Thank you very much! 

Não existe uma família perfeita; sem o hábito do perdão, a família cresce doente e gradualmente desmorona-se.

Quando, à mesa, ao invés de conversar em família, cada um tem um telefone e se conecta fora, fica “em órbita”. Mas isso é perigoso. Por que? Porque te arranca do concreto da família e te leva para uma “vida gasosa”, sem consistência. 

Como ensinou um bom padre irlandês, «a família que reza unida permanece unida» e irradia paz. 

Enquanto escutava o coral, vi uma mãe que ensinava o filho a fazer o sinal da cruz. Pergunto-vos: ensinais às crianças a fazer o sinal da cruz? Sim ou não? [Yes]. Ou ensinais a fazer algo assim [NT: faz um gesto rápido], que não se entende bem o que é? É muito importante que as crianças desde pequenas aprendam a fazer bem o sinal da cruz: é o primeiro Credo que aprendem, o Credo no Pai, no Filho e no Espírito Santo. Esta noite, antes de ir para a cama, vós pais perguntai a vós mesmos: ensino os meus filhos a fazer bem o sinal da cruz? Pensai, é algo para vós!

Pela vossa história, compreendemos como é importante continuar a ir àquela fonte da verdade e do amor que pode transformar a nossa vida. Quem é? Jesus, que inaugurou o seu ministério público justamente numa festa de núpcias.

Essa cultura em que vivemos hoje, que descarta tudo: descarta tudo aquilo que não serve, descarta as crianças, porque incomodam. Descarta os velhos, porque não servem… Só o amor nos salva desta cultura do descarte.

Uma sociedade – escutai bem isto – uma sociedade que não valorize os avós é uma sociedade sem futuro.

Constituem um tesouro de experiência, um tesouro de sabedoria para as novas gerações.

Vós, famílias, sois a esperança da Igreja e do mundo!

 

Clica aqui para ler o texto completo